27 de maio de 2017

Viver no mundo

Muita gente me pergunta o motivo de eu fazer intercâmbio. De eu deixar a minha vida toda, meus amigos, família, etc, etc, na minha cidade natal pra viajar, gastar mais do que eu gastaria estudando no Br, morando no Br, fazendo um cursinho de inglês em Porto Alegre e em resumo: "porque eu faço intercâmbio?", e o motivo de elas me perguntarem isso é um só: elas querem​ fazer, mas querem porque "tá na moda", hoje em dia quase todo mundo tem condições de fazer um intercâmbio.

Viver no mundo @pritrelles
Dá uma segurada nos gastos mensais, poupa um pouco de dinheiro que gastaria com diversão, vende roupas que não servem mais, aproveita pra emagrecer gastando menos com comida e com balada e assim vai indo, dando a apertadinha em tudo o que puder.
Mas na minha opinião, o erro tá aí. Eu tava agora vendo o Facebook de um amigo que conheci aqui em Portugal, e ele tá no intercâmbio dele também. Publicou uma foto com a hashtag de "#minhaesperienciadeimtercambio". E foi por culpa dessa hashtag que eu resolvi escrever isso. Portanto, agradeçam (ou não), à ele.
Pra começar, eu acho que não existe essa coisa de aprender o que é um intercâmbio. Ou tu nasce, ou não com a vontade e disposição pra fazer um intercâmbio. Não é pra qualquer um. E tu pode ter certeza disso, quando tu conhece alguém no intercâmbio, porque tudo o que a pessoa fala, demonstra que ela tá ali por ter alma de intercambista ou porque ela quer ter. É normal sentir saudades? É. É normal chorar quando é por um tempo teoricamente grande? É. É normal querer largar tudo e voltar pra casa? É. Mas tu reconhece um intercambista NATO, quando ele tá chegando o final do intercâmbio e ele fala "eu não quero voltar! Quero ficar aqui!". Porque ele teve uma ótima experiência e tem a noção de que voltando pra casa, vai voltar pra vida dele ao normal. Vai virar nada. Vai ser chato. Eu vejo assim, por isso que eu tenho que tá sempre em movimento. Procurando coisa nova pra fazer, lugar pra conhecer, oportunidade pra sair do lugar e do mesmo, me arriscar e de me aventurar. Eu me sinto somo se tivesse regredindo, quando eu volto pra minha rotina normal. Nem sempre isso é ruim. Mas nunca é bom.
Então, no momento que alguém me pergunta como é o intercâmbio, eu já sei que aquela pessoa não nasceu pra isso. Certeza. Mesmo que tu nunca tenha ouvido falar disso, tu tem algo que te instiga a querer mais, sair da zona de conforto, arriscar, ir atrás de algo melhor que tu nem sabe o que é, mas tu quer muito encontrar. Aquele papo "clichê" de novas culturas, novas pessoas, lidar com o outro, se virar all alone, etc... No fim das contas não é clichê. É basicamente disso que se trata um intercâmbio. Autoconhecimento através de outras pessoas e diferentes realidades que tu nunca teria chance de conhecer na tua casa, faculdade, amigos, cidade, país, etc... Coisa pra nunca esquecer e te instigar a ficar sempre em movimento. E o incrível do intercâmbio é que: ele te dá mil descobertas e uma baita experiência, em troca de mais descobertas e experiências, que tu dá estudando. Entenderam? É uma troca. Tu quer viajar? Conhecer outros país? Tu quer respirar um ar e rotina diferente? Quer decidir o que quer fazer realmente da tua vida? Viver a dita globalização na pele? Vai fazer um intercâmbio. Vai fazer tudo isso e mais um pouco, sem parar de estudar e atrapalhar a tua vida e sem teus pais incomodarem, sem tua família ficar te chamando de vagabundo (a gente te sabe que isso rola, né?! Sejamos sinceros!). Essa é a melhor parte. Sem dúvida. Mas há quem tenha alma de intercambista e há quem apenas tenha o dinheiro e a vontade de virar um. Acontece. Hahahahaha
Gostou? Te inspirou​? Então curte aqui o post, compartilha com os teus amigos que estão fazendo intercâmbio ou que tem vontade e me ajuda com a divulgação 

0 comentários:

Postar um comentário

Eaí, gostou do post? Me fala aqui nos comentários! <3

 
Cantinho da Ruiva | Layout por A Design